Carlos Gustavo Yoda

jornalista = comunicador de redes

iPhone não precisa de Apple para chegar ao Brasil

O Valor Econômico desta quinta-feira, dia 17, trouxe à tona a polêmica sobre a regulamentação do uso do iPhone no Brasil. Apesar da Apple ainda não ter iniciado a comercialização do aguardada última geração do telefone celular no país, o produto é um dos mais procurados nas lojas de eletrônica da rua Santa Ifigênia, em São Paulo, onde o famigerado aparelho pode ser encontrado por R$ 2,3 mil, com seis meses de garantia.

A polêmica está por conta do direito autoral sobre o desbloqueio do aparelho para habilitação em qualquer tipo de operadora. Nos Estados Unidos e em alguns países da Europa, a Apple distribui a tecnologia em parcerias com operadoras locais, onde é permitido o desbloqueio do aparelho para o usuário, que pode adquirir até dois aparelhos.

O código americano de direitos autorais, a DMCA (sigla para Digital Millennium Copyright Act), foi criada há dez anos, mas em meados de 2006, quando iPhone ainda não passava de um conceito na cabeça de Steve Jobs, o congresso estadunidense entendeu que um contrato de exclusividade com uma empresa não poderia colocar em risco o direito das pessoas de se comunicar.

“O Brasil, que também publicou suas regras de direito autoral (Lei 9610) em 1998, inspirou-se na DMCA”, afirma Ronaldo Lemos, diretor do centro de tecnologia e sociedade da Escola de Direito da FGV, no Rio de Janeiro, explicando a necessidade da revisão da legislação brasileira. “No frigir dos ovos, nós copiamos todas as restrições, mas não as exceções”, diz o advogado e professor.

A pontuação da reportagem de André Borges é a de quem compra o aparelho no Brasil ou no exterior e desbloqueia em terra de papagaio está cometendo um “ato ilícito cívil”. A Apple prefere não se manifestar sobre o assunto e nem deve tomar medidas contra a comercialização do iPhone. A própria empresa foi pega de surpresa quando há ano Steve Jobs disse que trabalhava no lançamento de um revolucionário celular batizado de iPhone. Imediatamente a Cisco Systems, que havia herdado a marca iPhone em 2000, com a compra da empresa InfoGear, decidiu ir à Justiça contra a empresa da maçã. Um mês depois, a Cisco retirou seu processo e concordou em dividir o uso da marca iPhone, que só nos Estados Unidos vende mais de 20 mil por dia.

No comments yet»

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: